Dar

>> 20091228


Precisava de dar qualquer coisa a uma qualquer pessoa
Uma qualquer pessoa que a recebesse
num jeito de tão sonâmbulo gosto
como se um grão de luz lhe percorresse
com um dedo tímido o oval do rosto.

Uma qualquer pessoa de quem me aproximasse
e em silêncio dissesse: é para si.
E uma qualquer pessoa, como um luar nascesse,
e sem sorrir, sorrisse,
e sem tremer, tremesse,
tudo num jeito de tão sonâmbulo gosto
como se um grão de luz lhe percorresse
com um dedo tímido o oval do rosto.





António Gedeão, Obra Poética

Banksy - Wall and Piece

The ones who come around

  © Blogger templates by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP